quinta-feira, 27 de setembro de 2012

COMO TRATAR A CRÍTICA

"Não julgueis para que não sejais julgados. Pois com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido, hão de vos medir" (Mt 7: 1-2).
Cada vez que emitimos julgamento sobre o que quer que seja, estamos entrando numa área escorregadia. Primeiro, porque não temos todas as informações sobre o assunto que estamos julgando; segundo, porque cada situação pode ter um foco diferente daquele que, na minha mais sincera opinião, está errado.
Além dessas explicações, há um motivo que levou o nosso Mestre a nos ensinar esse princípio: o que Jesus nos ensinou foi o hábito de ser generoso com aqueles que erram. A termos em conta que nós é que estabelecemos o padrão de misericórdia. A lembrarmos que todos nós erramos. Podemos estar julgando uma pessoa em determinada área de sua vida, na qual temos firmeza e integridade, mas, em outra área, podemos estar cometendo o mesmo tipo de erro. Aliás, Jesus disse que só pode atirar pedras quem nunca pecou – e a Bíblia diz que todos pecaram. Portanto, ninguém deve atirar pedras. A regra bíblica é que, se seu irmão pecar contra ti, vai e trata a situação com ele. Se ele ouvir a tua exposição, ganhaste teu irmão.
Ter um espírito generoso com as falhas alheias é ganhar o direito de receber a mesma generosidade quando viermos a falhar, pois seremos medidos com a medida com que medirmos...
Sair desta regra é violentar o que as Escrituras ensinam. Se assim fizermos, estaremos enquadrados naquele grupo que vê um cisco no olho do irmão e esquece a lasca de madeira que está no nosso.
Não será bom aprendermos sempre com Jesus?
Pensamento: Não julgue, você poderá ser julgado.
Oração: Dá-me um espírito generoso com as falhas alheias. Em nome de Jesus, amém!
Leitura: Mateus 10:26-42 – Levítico 9-10 – Provérbios 23
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

TRANSFORMANDO PROBLEMAS EM POSSIBILIDADES


"Tudo posso naquele que me fortalece" (Fp 4:13).
Um dos mais ricos textos das Escrituras Sagradas encontra-se em Filipenses 4:13. Ele foi escrito por Paulo, quando estava diante de circunstâncias das mais difíceis que o apóstolo já havia enfrentado. Naquele cenário de desafio, de lutas, de perseguições, de ameaças de morte, ele pôde dizer:
"Tudo posso naquele que me fortalece".
Somos gratos ao apóstolo Paulo por nos ensinar uma lição tão positiva e dinâmica. Nos dias em que vivemos, muitos cristãos estão olhando mais para os problemas do que para as possibilidades e recursos à nossa disposição na Palavra de Deus. Em lugar de declararem a sua total confiança no Senhor que as sustenta – "Tudo posso naquele que me fortalece" –, olham para os problemas e dizem para si mesmas palavras negativas, de impossibilidades.
Tenho pensado como seria pobre a revelação da história sagrada se os nossos heróis da fé tivessem agido assim. Moisés, diante da ameaça do Faraó e da fúria do Mar Vermelho, preferiu dizer: "Marchem!"; Josué preferiu confiar na ação de Deus do que crer na intransponibilidade das muralhas de Jericó; Davi não olhou para as dimensões físicas de Golias, nem para a impotência de seus seixos, mas confiou na ação do braço forte de Deus. Estes homens fizeram a história que encarta a nossa fé, porque preferiram não olhar para os problemas, mas para as possibilidades do poder de Deus.
O Senhor Jesus Cristo é o nosso grande exemplo de como enfrentar as coisas chamadas problemáticas, ou até mesmo as impossíveis, com fé e solução positiva. Fazendo um retrospecto do Seu ministério, descobrimos que Ele jamais deixou-Se vencer por qualquer sentimento de impossibilidade.
Ressuscitou mortos, curou enfermos, expeliu demônios, venceu o pecado, enfrentou a Cruz, ressuscitou e vivo está, deixando-nos a vida padrão que é digna de ser imitada: "Aquele que crê em Mim fará as mesmas obras que Eu faço!".
Pensamento: Sentimento de impossibilidade está fora do vocabulário divino.
Oração: Senhor, quero olhar para os meus problemas como oportunidade para manifestação do Teu poder. Por Cristo Jesus, amém.
Leitura: Mateus 10:1-25 – Levítico 7-8 – Provérbios 22
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

MÉTODOS DE DEUS


"Quem dá é mais feliz do que quem recebe" (At 20:35c).
Em tudo o que se faz é necessário descobrir qual o método mais adequado e eficiente. O professor procura o melhor método de transmitir a matéria; o médico aperfeiçoa as técnicas em sua especialidade, e o atleta sonha em descobrir a maneira de superar o próprio desempenho. Como cristãos, precisamos avaliar a nossa vida, não segundo nossos conceitos, mas conforme os olhos de Deus.
Na área da mordomia, é necessário descobrir os padrões das Escrituras, pois os métodos de Deus são infalíveis e produzem resultados abençoadores.
Ouvi, certa feita, a história de um novo convertido que muito tem a ver com este assunto. Sua igreja estava fazendo uma campanha com o propósito de alistar todos os membros no rol dos mordomos fiéis. Ao ser visitado, perguntaram-lhe se poderia contribuir com R$ 300,00 mensais para o sustento da obra do Senhor. Para a surpresa dos oficiais da igreja, o irmão retrucou: "O que significa isto? Quando eu não era crente, gastava muito mais em álcool, fumo, e sem contar minha saúde que desperdicei. Vou pensar sobre o assunto e domingo direi aos irmãos sobre o montante de minha contribuição". No domingo, com o rosto brilhante, procurou o tesoureiro da igreja e disse: "Examinando as Escrituras, descobri o método de Deus para a minha vida na área da contribuição: "SEREI DIZIMISTA".
As Escrituras nos ensinam, pelo menos, três métodos de contribuição:
1. Dar tudo o que possuímos. Foi o que fizeram a viúva de Sarepta (1 Rs 17:12-16) e a viúva pobre de Jerusalém (Mc 12:41-44). Também alguns crentes na primitiva Igreja do Novo Testamento.
2. Dar metade dos bens. Zaqueu depois da sua conversão (Lc 19:8).
3. Dar o dízimo do que ganhamos. É o que ensina Ml 3:10, Pv 3:9-10, Mt 23:23, Hb 7:4-19.
Quão bom é sabermos que o dízimo não é um método da Igreja, e sim, o método de Deus!
Pensamento: O Dízimo é um método de Deus, não do homem.
Oração: Senhor amado, hoje quero oferecer a Ti minha vida como oferta viva em Teu altar. Mas também quero oferecer meu dízimo, em obediência à Tua Palavra. Em Cristo Jesus, amém!
Leitura: Lucas 24:13-53 – Gênesis 44 – Salmos 35
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

MENTIRA MATA

"Você não mentiu a seres humanos – mentiu a Deus!" (At 5:4c).
É verdade, mentira mata. Mentira tem um poder mortal. Quando pronunciada com propósito, fere, destrói e às vezes mata. Nas Escrituras, a mentira matou dois dos primeiros membros da igreja: Ananias e Safira.
Membros fundadores da primeira igreja, envolveram-se com o entusiasmo de todos os membros novos. Iam em todos os cultos, participavam de todos os eventos, amavam a casa de Deus.
Numa campanha de mordomia, ficaram encantados quando o irmão Barnabé vendeu tudo o que possuía e entregou ao Senhor. Aplaudiram. Que consagração esta de Barnabé, "homem bom e piedoso", cheio do Espírito Santo. Que exemplo!
Ananias e Safira resolveram fazer a mesma coisa. Copiaram o gesto de Barnabé. Mas vida cristã não se copia. Cada um serve na medida da proporção de fé. Não temos que fazer igual aos outros. Deus trata cada um de nós como bem lhe apraz! Copiar não é bom, ainda mais quando a cópia é pela metade. Ananias e Safira venderam seus bens e deram a metade para o Senhor. Deus não pede que ninguém venda nada. Que ninguém faça sacrifícios. Jesus já fez o grande sacrifício... para sempre. Mas, se você decidir fazer uma oferta para o Senhor, não faça pela metade. Não minta. Deus não convive com os mentirosos. A mentira originalmente nasceu do diabo, que é seu pai.
Ananias e Safira caíram mortos. Quem mentiu mais? Ele ou ela? Não sei, mas Deus não convive com mentiras. Ele ama a verdade; aliás, Verdade é o Seu nome (Jo 14:6). Fuja da mentira...ela mata.
Pensamento: Deus ama a verdade, mas odeia a mentira.
Oração: Pai da Verdade, permita-me ser da Verdade para que Verdade seja anunciada ao mundo através do meu viver. Em nome de Jesus. Amém!
Leitura: Lucas 24:1-12 – Gênesis 43 – Salmos 34
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

OS PLANOS DE DEUS

"Eu reconheço, ó Deus eterno, que para ti nada é impossível, e que nenhum dos teus planos pode ser impedido" (Jó 42:2).
Em seu livro Cristo e o Sofrimento Humano, Stanley Jones afirma: "Os homens nascem para o sofrimento como as faíscas das brasas voam para cima". O sofrimento pode estar a poucos metros de nós, desde quando o pecado entrou na raça humana lá no Éden.
Quais seriam os planos de Deus para Jó? Certamente todos nós temos a resposta, pois estamos assistindo ao drama de Jó conhecendo o outro lado do "palco" – vemos Deus dando permissão a Satanás para provar o patriarca. Mas Jó não sabia disso. Ele não sabia dos planos de Deus. E o Senhor aproveitou a petulância de Satanás em querer destruir aquele servo fiel para aumentar a consagração de Jó. Isto se deu ao final da restauração da prosperidade na vida do patriarca.
Jó aprendeu algumas lições:
1. Conhecimento de Deus de uma forma íntima – "agora os meus olhos te vêem".
2. Humildade – "eu só te conhecia de ouvir..."
Deus é soberano e há espaço para humildade na vida de todas as pessoas. Não devemos nos esquecer que o caminho de Deus continua perfeito e que depois que a tempestade passa, "todas as coisas trabalham juntas para o bem daqueles que amam a Deus" (Rm 8:28).
Deus devolveu tudo em dobro a Jó, porque Ele não é o autor direto do sofrimento, tampouco da morte – mas isto é conseqüência do pecado, da raça caída.
Pensamento: Deus SEMPRE deve ser glorificado, ainda que você não compreenda o porquê de seu sofrimento.
Oração: Glorifico o Teu nome mesmo sabendo que ainda não entendo algumas coisas, mas tenho certeza que a Tua misericórdia é grande para minha vida. Em nome de Jesus, amém.
Leitura: Lucas 3:1-20 – Ezequiel 40-41 – Isaías 62
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

UM HOMEM DE DEUS


"Todos os que creram pensavam e sentiam do mesmo modo" (At 4:32 ).
Ser chamado de homem de Deus é um dos privilégios que o cristão tem. Quando examinamos a Bíblia encontramos alguns modelos. Dentre eles se destacam: Felipe, Estevão, Barnabé, Enoque entre outros que viveram de tal forma e podem ser designados como verdadeiros homens de Deus.
Vivemos dias difíceis e precisamos de forma muito clara encontrar homens e mulheres com as seguintes qualidades:
1. Altruísta: pensava nos outros - "Foi assim que José vendeu um terreno que possuía e entregou o dinheiro aos apóstolos. José era levita e havia nascido na ilha de Chipre. Os apóstolos o chamavam de Barnabé, que quer dizer (Aquele que dá coragem). Atos 4:36-37.
2. Disponível - "... e eles mandaram Barnabé para Antioquia." At 11:22.
3. Compartilhador - "Barnabé era um homem bom, cheio do Espírito Santo e de fé. E muitos foram convertidos ao Senhor. Depois Barnabé foi até a cidade de Tarso a fim de buscar Saulo." At 11:24-26.
4. Digno de confiança - "E mandaram o dinheiro por meio de Barnabé e Saulo, para que eles o entregassem aos presbíteros." At 11:30.
5. Sofredor pela obra - "Mas os judeus atiçaram os líderes da cidade ... Eles começaram a perseguir Paulo e Barnabé e os expulsaram daquela região" - At 13:50.
6. Testemunha sincera - "Então todos os que estavam ali ficaram calados e escutaram Barnabé e Paulo contar os milagres e maravilhas que Deus tinha feito por meio deles entre os não judeus" At 15:12.
E então, você tem sido você um modelo que todos possam seguir? Esta é a hora. Disponha-se a ser diferente nestes dias para apresentar a única alternativa para o mundo - Jesus.
Pensamento: Dispor-se a Deus é dizer: Eis-me aqui!
Oração: Senhor, meu maior desejo é Te servir de todo o meu coração. Estou à Tua disposição para fazer Tua vontade. Em nome de Jesus, amém!
Leitura: Filipenses 1:12-30 - Ezequiel 19 - Isaías 48
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

A DESCIDA DO ESPÍRITO SANTO


"De repente veio do céu um barulho que parecia um vento soprando muito forte e encheu toda a casa onde estavam assentados... Todos ficaram cheios do Espírito Santo..." (At 2:2,4).
Jesus veio à terra, ministrou durante três anos, e somente quando Se preparava para voltar para o Pai, falou sobre o Espírito Santo.
Jesus vai à Cruz e morre. É colocado no túmulo e ressuscita. Encontra-se com Seus discípulos e diz: "Esperai em Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder". E os discípulos vão para Jerusalém "e perseveram unânimes em oração e súplicas, com as mulheres, e Maria, mãe de Jesus, e com seus irmãos" (At 1:14). Eles eram ao todo 120 pessoas.
A Palavra de Deus, na sua linguagem simples, diz: "Ao cumprir-se o dia de Pentecostes estavam todos reunidos no mesmo lugar" (At 2:1).
Uma das condições necessárias para que o Espírito Santo venha sobre a Igreja, não importando o período da história que esteja vivendo, é a unidade: "Estavam todos reunidos no mesmo lugar...".
"De repente veio do céu um som como de um vento impetuoso". Esta benção, ou seja, o batismo com o Espírito Santo, é instantânea. Não é uma bênção progressiva, como alguns tentam ensiná-la, que vai enchendo um pouco, um pouco... e um dia você fica cheio. Isto não é verdade. A expressão "de repente" significa "quando menos se espera". "De repente" é quando você não se preparou para aquilo – como quando você está andando pela cidade e encontra alguém com quem não tinha marcado um encontro.
A Palavra de Deus diz que, "de repente", esta benção veio ao coração dos discípulos. Ela não vem de baixo, mas vem de cima: "de repente veio do céu". Não é a mão do irmão na sua cabeça, não é o grito da irmã no seu ouvido, não são aquelas palavras mágicas que alguns tentam colocar em nossa mente. Esta bênção vem do trono de Deus, sai do coração de Deus para o seu coração.
Pensamento: A perseverança em unidade é fundamental para a atuação do Espírito Santo.
Oração: Enche-me, Senhor, do Teu Espírito, para que eu Te sirva cada vez melhor. Em nome de Jesus, amém!
Leitura: Atos 10:1-33 – Josué 7-8 – Jó 24
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

TODOS FICARAM CHEIOS DO ESPÍRITO SANTO

"E apareceram, distribuídas entre eles, línguas, como de fogo, e pousou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem" (At 2:3-4).
O batismo com o Espírito Santo é individual. As línguas de fogo pousaram sobre cada um deles, individualmente. Podem três pessoas estar orando e apenas duas receberem a bênção. Não é uma coisa de comoção coletiva; não é aquele ajuntamento de pessoas onde todos dão "glória, glória, glória..." e aí entra um clima de êxtase emocional. Esta bênção é uma convicção espiritual de que a glória de Deus encheu nosso coração. Não é um frenesi, não é um descontrole emocional: ela é consciente, ela é compreensível, ela é de Deus, e Deus não é Deus de confusão.
"Ora, estavam habitando em Jerusalém judeus, homens piedosos, vindos de todas as nações debaixo do céu" (At 2:5). Era um congraçamento nacional em Jerusalém. É como acontece, uma vez por ano, na ONU: o mundo todo envia seus representantes para uma reunião. Todas as línguas, todos os povos têm o direito de se fazer representar neste dia especial das Nações Unidas – inclusive o Brasil se faz presente, através do seu presidente, que tem o privilégio de dar a palavra de abertura, por tradição.
No calendário judaico, existiam três grandes festas sagradas: Páscoa, Pentecostes e Tabernáculo. Pentecostes era a segunda grande festa, cinqüenta dias após a Páscoa. Era também chamada Festa das Colheitas, porque nela as primícias da sega de grãos eram oferecidas a Deus. Da mesma forma, o dia de Pentecostes simboliza, para a Igreja, o início da colheita de almas para Deus neste mundo.
Pensamento: É tempo de colheita!
Oração: Abre meus olhos para a colheita, Senhor. Em nome de Jesus, amém!
Leitura: Atos 10:34-48 – Josué 9-10 – Jó 25
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

domingo, 16 de setembro de 2012

Encontro de Obreiros em Jacaraípe da IBE - Serra















Dinâmica do Aacordo

video

A IGREJA DE PORTAS TRANCADAS – I

"Que a paz esteja com vocês!" (Jo 20:19).
Entre a ressurreição e o Pentecostes, há um período escuro na vida da igreja. Cristo estava vivo, mas a Igreja estava morta. Cristo estava presente na vida dos discípulos, mas a Igreja estava ausente – com as portas trancadas. Os discípulos haviam "perdido" o Mestre, e aguardavam um "promessa" conforme registra Atos 1:8. Mas, a incerteza, o medo, a dúvida estavam procurando um caminho para instalar-se no coração daqueles homens e mulheres.
Dr. Stanley Jones, no seu livro, O Cristo de Todos os Caminhos, diz: "Na Páscoa, a Vida é oferecida, mas no Pentecostes, a vida é recebida e compartilhada. Cristo viveu, ensinou, morreu e ressuscitou. Cabe à igreja compartilhar estas verdades".
1. A igreja de hoje está de portas trancadas por causa do MEDO. Medo da sociedade, medo do humanismo, medo do pós-modernismo – todos esses novos valores colocam o homem como centro de tudo, como senhor absoluto de sua vida.
2. A igreja de hoje está de portas trancadas por causa da OPOSIÇÃO. A Igreja é um corpo estranho na sociedade – ela divulga valores que o mundo rejeita, ela mostra o pecado em que o mundo vive: "o mundo jaz no maligno". A Igreja primitiva tinha medo dos judeus – gente da sociedade da época: "Naquele mesmo domingo, à tarde, os discípulos de Jesus estavam reunidos de portas trancadas, com medo dos líderes judeus. Então Jesus chegou, ficou no meio deles e disse: Que a paz esteja com vocês!" (Jo 20:19).
A Fonte de Poder da igreja é a verdade: "e conhecerão a verdade, e a verdade os libertará" (Jo 8:32). Ela nos liberta do pecado, do diabo, do mundo e de nós mesmos.
Pensamento: Saiamos ao mundo a anunciar que Jesus é Senhor!
Oração: Senhor, meu desejo é que o mundo conheça o plano maravilho que Tu tens para ele. Quero ser instrumento de Boas Novas ao mundo. Usa-me! Em nome de Jesus. Amém!
Leitura: Gálatas 6 – Ezequiel 2-3 – Salmos 149
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

EU TENHO COMUNHÃO COM OS IRMÃOS

"E todos continuavam firmes no ensino dos apóstolos, viviam em amizade uns com os outros e se reuniam para as refeições e as orações" (At 2:47).
Evidência de vida cheia do Espírito Santo é você poder dizer: "Eu tenho comunhão com todos os meus irmãos". Afinidade é outra coisa bem diferente.
O Espírito Santo une as pessoas, não importa a cor, a cultura, o tecido do seu vestido. Se eu não tiver prazer em rever os irmãos, a cada domingo, há alguma coisa errada com a minha vida. Com Deus nós temos comunhão todos os dias, mas com os irmãos é quando estamos na Igreja. O meu ponto em comum com o irmão é Jesus Cristo. Aleluia!
Eu vou a congressos com americanos, palestinos, africanos, gente que não entende as minhas palavras e eu as deles. Mas, quando nos abraçamos, temos um ponto em comum que é o Senhor Jesus Cristo. Ele é o nosso elo, o nosso vínculo, nossa espiritualidade, porque o que me une a você é Jesus.
Quem é cheio do Espírito Santo tem um ponto de convergência e não de divergência. Não se divide por causa de Jesus. "Eu, quando levantado do alto da terra, atrairei todos para mim mesmo" (Jo 12:32). Isso se chama vida no Espírito.
Quem é cheio do Espírito Santo tem o temor do Senhor. O texto diz que, porque havia o temor do Senhor, havia prodígios e sinais. Uma vida cheia do Espírito deságua no espírito de obediência à Palavra. Se eu estou cheio do Espírito essas coisas naturalmente vão acontecer em minha vida.
O nosso grande problema é que nós queremos experimentar, mas não queremos ser. Deus quer que nós sejamos "um vaso de bênçãos, um instrumento nas Suas mãos, um vaso de honra". Deus quer que tenhamos compromisso com Ele, que se traduz em comunhão horizontal.
Pensamento: Faz-me um vaso de bênção, Senhor. Eis-me submisso ao teu serviço!
Oração: Senhor, que no dia-a-dia da minha vida eu possa ser instrumento de comunhão com todos aqueles que tens criado. Em nome de Jesus, amém!
Leitura: Atos 17:1-15 – Juízes 6 – Jó 36
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

EVANGELISMO: OUTRA EVIDÊNCIA

"Mas vocês receberão poder, quando o Espírito Santo descer sobre vocês; e serão minhas testemunhas" (At 1:8).
O propósito de ser cheio do Espírito Santo é sermos testemunhas do Senhor Jesus, é termos intrepidez, é colocarmos autoridade em nossa vida, é recebermos a unção e podermos falar das grandezas de Deus. Você se esvazia da sua cultura, da sua posição social, da sua religiosidade, da sua tradição e só quer Cristo no centro da sua vida, só quer exaltá-lO.
Aqui está Pedro testemunhando e eles caem prostrados. O versículo 41 diz que, entre os que aceitaram a palavra, só naquele dia foram quase três mil pessoas. "Não é pela força, não é pela violência, mas é pelo meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos" (Zc 4:6).
Às vezes nós montamos nossos esquemas, fazemos nossos planos, as nossas estratégias, e deixamos Deus de lado. O que precisamos como Igreja do Senhor Jesus é sermos cheios do Espírito Santo, batizados com o Espírito Santo, transbordantes do Espírito Santo, para termos autoridade, intrepidez, ousadia, para sairmos proclamando: "Jesus Cristo é o Filho do Deus vivo. Ele foi pregado na cruz e morreu, Ele ressuscitou ao terceiro dia, venceu a morte. Ele pisou na cabeça do diabo, e voltará para reinar com Sua igreja". Esta é a mensagem da igreja. Nós não temos outra. E o que nos dá essa intrepidez para proclamar esta mensagem é uma vida cheia do Espírito Santo.
Melhore o seu testemunho. Dê um brilho a mais na sua luz. Melhore os seus relacionamentos, o seu comportamento. Peça ao Espírito Santo para controlar o seu temperamento. É assim que funciona, é assim que deve ser.
Um dia o Espírito Santo revelou-me que, quando Paulo disse: "Eu sei em quem tenho crido", ele não disse "no que", mas "em quem", em qual pessoa. Deus é uma pessoa, Jesus é uma pessoa, o Espírito Santo é uma pessoa.
Pensamento: O que precisamos como Igreja é sermos cheios do Espírito Santo.
Oração: Senhor, que o Teu Espírito me envolva e me faça ser pregador da Tua Palavra. Em Cristo, amém.
Leitura: Atos 18 - Juízes 9 - Jó 38
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

GENEROSIDADE: UMA EVIDÊNCIA

"Todos os que criam estavam juntos e unidos e repartiam uns com os outros o que tinham" (At 2:44).
Quando você é batizado com o Espírito Santo, demonstra um espírito da liberalidade. Assim foi com os cristãos primitivos, em Jerusalém, logo após o Pentecostes. Eles vendiam as propriedades e distribuíam os produtos entre todos de acordo com as suas necessidades.
Quando você está cheio do Espírito Santo, você é generoso, não é mesquinho, quer abençoar outras pessoas e também vai sendo abençoado em nome de Jesus. Você está ciente de que Deus compartilhou a Sua vida com você, através de Cristo, e concedeu o Espírito como garantia dessa vida restaurada, de santidade. E este mesmo Espírito impele você a praticar este ato de dar. De dar-se.
Diariamente perseveraram unânimes no templo, partiam pão de casa em casa...". Iam para a igreja, repartiam o pão, evangelizavam, ganhavam almas, e "Deus aumentava dia a dia o número dos que iam sendo salvos". Era a conseqüência natural da generosidade: "Daí, e dar-se-vos-á...". O evangelismo não era artificial, forçado. À medida que cada um praticava a generosidade resultante do transbordamento do Espírito, a Igreja também transbordava: "Dia a dia, ia o Senhor acrescentando...". Que modelo!
Se a Igreja de hoje se espelhasse na igreja primitiva, procurando ser firme na teologia, no trato e no testemunho; ser poderosa na autoridade espiritual; colocando o diabo no lugar dele; sendo obediente na doutrina, perseverante, tendo comunhão uns com os outros, tendo temor do Senhor, abrindo espaço para que houvesse sinais e prodígios, estaríamos caminhando para sermos uma igreja dinâmica.
Uma igreja nos moldes do Novo Testamento, generosa.
Pensamento: Nosso espelho como modelo de igreja está nas páginas do Novo Testamento.
Oração: Senhor, atua em meu coração de tal forma que eu possa expressar um espírito generoso em todos os âmbitos da minha vida. Em nome de Jesus, amém!
Leitura: Atos 17:16-34 – Juízes 7-8 – Jó 37
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

domingo, 9 de setembro de 2012

MINHA MÃE

"Bendita é você entre as mulheres" (Lc 1:42a).
Nunca chegou a me escrever uma carta sequer. Entretanto imprimiu em meu caráter princípios que me tornaram um homem honrado. Não soube dizer, com palavras, "eu amo você". Mas demonstrou, em todo o tempo e em todos os seus atos, amor incansável. Foi esposa de um homem só, mãe de onze filhos. Uma mulher à frente de seu tempo, cuja notável inteligência não veio de livros, mesmo porque, não chegou a ler nenhum. Dona Antonieta definiu e encarnou, em todas as fase de sua vida, os significados abrangentes das palavras "coragem, firmeza e determinação".
Ajudou a todos, considerando as necessidades da família antes das suas. Quando minha irmã Neuza adoeceu gravemente, minha mãe, na ocasião já avançada em anos, afirmou: "Não posso morrer agora, preciso ajudar minha filha a cuidar de meu neto, Daniel" (Daniel tem síndrome de Down, está hoje com dezessete anos).
Na quinta anterior, orei com ela. Apenas os dois, em um quarto de hospital. Procurei fazer com que suas fragilíssimas reações e percepções me identificassem naquele momento. "Mãe, segura na mão de Deus e vá". Ela reagiu, arrancou forças do fundo de sua alma e sussurrou: "Cante!".
Cantei emocionado, mas sereno: "Segura na mão de Deus, pois ela, ela te sustentará". Dona "Eta", que conhecia bem Aquele que a chamava, agarrou-Lhe a mão e descansou. Dali a algumas horas, Ele a chamou para Si.
Pensamento: Você já abençoou a sua mãe hoje?
Oração: Senhor abençoa todas essas mulheres valorosas e valentes, que demonstram, neste mundo, um pouco do Teu amor incondional por nós. Em Teu nome. Amém.
Leitura: Atos 19:1-20 – Juízes 10:1–11:33 – Jó 39
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

sábado, 8 de setembro de 2012

O QUE DEVO FAZER?

"Que quer dizer tudo isso?" (At 2:12).
Há pessoas que buscam o Espírito Santo e não recebem, porque só querem uma experiência emocional. Deus quer nos dar uma experiência espiritual, a experiência mais doce do mundo. Deus conhece as nossas angústias, as nossas lutas, e quando não sabemos aonde ir, é a experiência de orar no Espírito que nos mantém de pé. Não é orar em português, é orar em espírito, é entrar na presença de Deus e ser levado à sala do trono, buscando renovo espiritual.
Mas isto não acontece sem compromisso com Deus - o que seria como receber apenas o laço da fita do presente. O importante é o que está dentro, o que Deus faz. Ele muda o coração, o caráter, a vida, o comportamento, a ética. Esta bênção, diz o apóstolo Pedro, esta promessa é para "vós outros, para vossos filhos, para os que estão longe".
Eu sei que tem gente vendendo a mercadoria por preço mais barato, mas eu não encontro, na Palavra de Deus, possibilidade de que, sem compromisso com Deus, alguém seja batizado com o Espírito Santo. Se você vai ser cheio do Espírito Santo, você vai ser cheio da terceira pessoa da Santíssima Trindade. Se este Espírito que é Santo vai habitar em sua vida, você precisa ser santo. É muito mais do que ter experiência emocional, é uma experiência de santidade e, isto vai mudar o rumo de sua vida em todas as áreas.
"'O que quer isto dizer?', perguntou a multidão perplexa." E hoje a pergunta ainda é a mesma: "E o que eu faço?".
A bênção para você é hoje. Talvez seja hoje o seu dia, porque o cálice está limpo e o Seu Espírito só enche vasos vazios e limpos. Talvez, hoje, Deus esteja começando a quebrar o vaso para fazer um novo. Talvez, Ele tenha que quebrar algumas coisas na sua vida, alguns preconceitos, alguns conceitos teológicos e doutrinários. Deus não faz do jeito que você pensa e quer. Ele faz do jeito dEle. Por isso, se você permitir, Ele vai desmanchar algumas coisas na sua vida.
Deus quer você, mas quer integralmente, Ele quer a sua vida. Busque o Senhor.
Pensamento: O Espírito Santo enche vasos vazios e limpos.
Oração: Senhor, faz a Tua obra em minha vida e enche completamente este vaso, para a Tua glória. Em Teu nome. Amém.
Leitura: Atos 19:21-41 - Juízes 11:34-12:15 - Jó 40
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

CONSIDERAI O VOSSO PASSADO

"Por isso, o Deus Todo-Poderoso diz: Pensem bem no que tem acontecido com vocês" (Ageu 1:7).
O livro de Ageu é peculiar. Ele foi escrito no final do chamado "período de cativeiro babilônico". Os judeus estavam se preparando para voltar e Ageu foi levantado como profeta, como proclamador da mensagem do Senhor. Mas qual era a proclamação? Dizia respeito à construção do templo. O templo construído por Salomão era um local especial para o povo de Deus. Assim como para nós o templo é o local do culto, naqueles dias também o era. E, mais do que hoje, era apenas ali, no lugar visível, que o povo e os sacerdotes podiam, por intermédio do sacrifício de animais, chegar-se a Deus.
Quando Ageu foi levantado como profeta, no período da reconstrução, o povo, encantado com o retorno à sua terra, estava preocupado com suas próprias coisas, tanto que Ageu disse: "Será que é tempo de vós habitardes em casas apaineladas?" – ou seja, bem construídas, caprichadas.
Ageu, na verdade, afirmou: "vocês estão ansiosos quanto ao salário, quanto à casa própria, quanto à educação dos seus filhos, mas considerai o vosso passado". O cativeiro havia acontecido em virtude de um afastamento de Deus. Será que o povo havia esquecido? Será que, retornando do cativeiro, iriam cair nos mesmos pecados? Iriam esquecer-se de Deus?
Precisamos reaprender a depender de Deus, a resgatar a nossa história com Ele, antes de nos preocuparmos com o nosso conforto, com o nosso bem-estar. O pecado nos manteve em cativeiro, do qual nos libertou Jesus. Esta casa espiritual que somos é que deve ser "trabalhada". A santidade é o que nos cai bem.
Que a exortação do profeta encontre lugar em nossos corações: "Considerai o vosso passado...", para que não esqueçamos o propósito de Deus, em santidade, para as nossas vidas.
Pensamento: Devemos depender única e exclusivamente do Senhor.
Oração: Deus, ajuda-nos a dependermos de Ti, e somente de Ti. Em nome de Jesus, amém.
Leitura: Atos 25 – Rute 1-2 – Salmos 47
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

EXPERIÊNCIA PASSADA, ALENTO PARA O PRESENTE

"Mesmo assim eu darei graças ao Deus Eterno, e louvrei a Deus, ó meu Salvador" (Hc 3:18).
Um dia Habacuque chegou no fundo do seu quintal e constatou que não havia mais gado no curral, que as ovelhas haviam fugido do aprisco, e que as oliveiras haviam deixado de produzir azeitonas.
Porém, mesmo diante das mais duras realidades, o profeta disse: "Assim mesmo, eu me alegrarei no Senhor". Não estava apegado ao transitório, ao gado, às ovelhas , às azeitonas, isto é, não se firmava nas matérias-primas básicas na vida de um judeu. A sua confiança estava no Deus que dava esses suprimentos – e não nos suprimentos que eram dados por Deus.
O judeu rico era aquele que tinha gado, ovelhas e oliveiras. Mas Habacuque constatou: "o fruto da oliveira mente", isto é, não havia produção naquele ano. O gado havia sumido do pasto e as ovelhas tinham sido arrebatadas do curral. O que fazer agora?
Cada vez que as provas vêm – e elas vêm para todos, nossas experiências passadas nos garantem segurança. Como é bom olhar para trás e ver que o Deus do passado, que cuidou de nós nas circunstâncias mais adversas da vida, é o mesmo Deus que cuida do nosso presente.
Quando as lutas chegam, temos que voltar ao passado e rememorar como Deus, na hora certa, nos supriu em todos os momentos da nossa vida, mesmo quando achávamos que a provisão tinha acabado, quando não parecia haver mais saída.
No momento exato, na hora certa, Deus nos sustentou. Consideremos o passado...
Pensamento: Deus sempre cuida de nós.
Oração: Obrigado, Senhor, por fazer-nos lembrar que a Sua provisão sempre chega na hora certa. Por Cristo. Amém!
Leitura: Atos 26:1-18 – Rute 3-4 – Salmos 48
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

MOVIDO PELA PAIXÃO

"Portanto, meus irmãos, continuem fortes e firmes. Estejam sempre ocupados no trabalho do Senhor, pois vocês sabem que tudo o que fazem no serviço do Senhor sempre tem proveito" (1 Co 15:58).
Confesso que tenho visto muitos crentes em ação. Movimentando-se por todos os lados. Estão envolvidos em todas as atividades da igreja. Estão sempre fazendo alguma coisa. E, de fato, o tipo de sociedade que somos hoje já produziu um efeito sobre a Igreja: há muito que já se fez, muito sendo feito, mas há muito ainda por fazer.
Mas, apesar de todo esse furor ativista, se olharmos com detalhe, pela ótica de Deus, veremos que falta um elemento. É como se estivéssemos saboreando um delicioso prato que gostamos e conhecêssemos a receita, mas... "Está faltando alguma coisa, algum tempero...!".
De fato, no meio de todo esse redemoinho de ação, está faltando o tempero da paixão. Há, nas igrejas, muitos crentes ocupados, mas poucos crentes apaixonados. A paixão é a motivação que nos leva a agir. Não é o que faço que me torna importante, mas o que vem antes, o que me leva a fazer aquilo que faço.
Jesus, nosso grande modelo, estava sempre agindo, mas agindo com paixão. Ele dizia que, se Seu pai trabalhava, Ele também trabalhava. O importante é que Ele agia pela motivação do amor. Falava da ovelha perdida, do filho desviado, da mulher confusa, e essas motivações apaixonavam Seu coração. Posso ver os olhos de Jesus brilhando e o coração fervendo, quando pronunciava as parábolas. Quando falava às multidões, era pela paixão por suas almas.
Em um mundo como este, com suas tremendas contradições e necessidades, precisamos de pessoas apaixonadas pelo Senhor Jesus e que, ao agirem, o façam seguindo o exemplo dAquele que nos chamou e nos convidou a segui-lO.
O cristão é movido pela paixão.
Pensamento: A real motivação para servir deve ser o amor genuíno a Deus.
Oração: Senhor, ajuda-me a avaliar minhas atitudes debaixo da unção do Espírito Santo e verificar verdadeiramente qual tem sido a motivação para Te servir. Por Cristo, amém.
Leitura: Atos 27:1-12 – 1 Samuel 2:12–2:36 – Salmos 50
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

SÓCIOS DE DEUS

"Quando deixei a Macedônia, nos primeiros dias nenhuma igreja se associou comigo" (Fp 4:15).
Estar envolvido em qualquer coisa na qual Deus é sócio majoritário é ter plena certeza de sucesso. Envolver-se com as necessidades do Reino é expressão de sabedoria. Partilhar do Reino de Deus é o mesmo que ser sócio de Deus.
Paulo disse que a Igreja de Filipos fora a única a "associar-se com ele" no tocante a dar e receber. São poucas as igrejas que sabem ser "sócias de Deus".
Temos tentado ensinar aos irmãos que o nosso procedimento dever ser proporcional às necessidades que nos cercam? Gritos de socorro são ouvidos por todos os lados. "Macedônias" pedem ajuda. Casas de "carcereiros" se abrem todos os dias.
Temos feito o máximo que os nossos recursos nos permitem? Temos atendido às necessidades que nos cercam. O que não podemos é perder a visão. Esse pode ser o maior triunfo ou o maior fracasso de uma igreja: sua visão.
Há tantas coisas a buscarem a nossa atenção, o nosso tempo, as nossas forças, o nosso dinheiro. De fato, há uma lista infindável de coisas boas, lícitas e necessárias que devem ser feitas, mas, em qual "sociedade" Deus nos chamou a participar? Onde iremos investir os valores das nossas vidas para produzir o trabalho que gera fruto eterno? Comecemos pela igreja local a qual pertencemos.
Não podemos deixar de acreditar é que a obra é de Deus. Somos seus sócios. Ele garante sua parte. Talvez nossa participação seja inexpressiva aos olhos humanos, mas Ele conta conosco, como associados para fazer uma obra extraordinária.
Pensamento: Qual a minha parte nesta sociedade com Deus?
Oração: Senhor, obrigado por permitir que sejamos participantes nessa Sua empreitada. Em nome de Jesus, amém.
Leitura: Atos 26:19-32 – 1 Samuel 1:1–2:11 – Salmos 49
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

TRANSFORMANDO ÁGUA EM VINHO

"Para que vocês creiam que Jesus é o Messias, o Filho de Deus. E para que, crendo, tenham vida por meio dele" (Jo 20:31).


A palavra-chave do Evangelho de João é o vocábulo "sinais". Neste livro de João temos o relato de vários sinais que o Senhor Jesus realizou.
Em cada página deste Evangelho há o relato de sinais sobrenaturais impressionantes: multiplicação dos pães e peixes, transformação da água em vinho, caminhada por sobre o mar, cura do paralítico, cura do cego de nascença, cura do filho do oficial do rei, a ressurreição de Lázaro e a pesca maravilhosa. Não foram coisas que outros haviam feito antes, e que Jesus era mais um a fazer. Não. Estes sinais aconteciam porque estavam ligados a um motivo maior, a uma intenção de Deus para com a humanidade.
Todos os sinais tiveram um motivo: revelar a intenção e o caráter do Senhor Jesus. As pessoas eram atraídas pelos benefícios das curas, da multiplicação dos pães, da libertação dos endemo-ninhados e por todos os outros sinais e maravilhas que aconteciam. Isto as levava até Jesus.
Os milagres mostravam uma quebra das leis da natureza. Prenunciavam, assim, que algo poderia ser feito quanto à "natureza pecaminosa do homem". Por exemplo, a transformação da água em vinho, o primeiro sinal, mostrou Aquele que transforma toda e qualquer situação. Creia! Jesus pode mudar tudo e todos, repentinamente. A água – o homem – poderia ser transformada em vinho – o homem perdoado e santificado.
Ele transforma uma derrota em vitória. Jesus transforma o fracasso em sucesso. Jesus transforma a tristeza em alegria. Ele é Aquele que cria fatos novos, inusitados.
Jesus tem um propósito. Ele tem surpresas sobrenaturais. Jesus pode fazer um sinal na sua vida, que lhe garanta uma nova direção, um novo rumo.
Crendo, teremos vida, seremos transformados.
Pensamento: Jesus continua fazendo Seus milagres ainda nos dias de hoje, pois Ele vive.
Oração: Senhor, permite-me participar dos Seus milagres. Por Cristo, amém.
Leitura: Atos 27:13-44 – 1 Samuel 3 – Salmos 51
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

domingo, 2 de setembro de 2012

TESTEMUNHAS DA RESSURREIÇÃO

"Eu entreguei a vocês o ensinamento que recebi e que é da mais alta importância: Cristo morreu pelos nossos pecados, como está escrito nas Escrituras Sagradas; ele foi sepultado e ressuscitou no terceiro dia" (1 Co 15:3-4).
Quantas pessoas importantes não gostariam de terem sido testemunhas da ressurreição do Senhor? Entretanto, quem foram os privilegiados, os escolhidos?
Primeiro, Maria Madalena. Uma vida desestruturada. Uma mulher desqualificada, que veio a tornar-se uma discípula fiel. Se fosse uma eleição, não teria sido escolhida pelas pessoas que cercavam Jesus. Mas, Madalena teve uma experiência profunda com o Senhor. Ela já havia testemunhado - ainda sem saber - o poder da ressurreição na sua própria vida. Assim, diante do túmulo vazio, correu para contar a maior história de todos os tempos.
Também, Pedro. Um pescador fracassado. Entrou no túmulo levado por Maria. Deus fisgou este pescador e o colocou ao seu lado. O nome Pedro significa "restauração". O Senhor lhe deu uma nova chance. Começou de novo. O fracasso ficou para trás. Pedro sabia o valor do "recomeço".
E, ainda, João. Um pastor vaidoso. João chegou primeiro, mas, entrou no túmulo depois de Pedro. Foi tratado em sua vida, transformado em suas pretensões. Queria os primeiros lugares, mas aprendeu primeiro a estar submisso à vontade de Deus. Ele viu Jesus na Cruz, obediente ao Pai.
Já vimos porque Deus escolheu esse tipo de gente para contar a mais importante história: todas elas tiveram experiências com o Senhor e O amavam. Aqueles, a quem muito se perdoa, muito ama, a quem muitas chances são dadas, muito agradecem. Elas haviam "ressuscitado" em vida, sido tocadas pelo Mestre - deixaram-s tocar.
Reveja sua vida e sua fé. Seja uma testemunha da ressurreição.
Pensamento: Deus é um Deus de oportunidades.
Oração: Senhor, permita-me ser sensível ao Seu toque, em nome de Jesus. Amém.
Leitura: Atos 28:1-15 - 1 Samuel 4-5 - Salmos 52
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.

sábado, 1 de setembro de 2012

O CAMINHO DA FÉ

"Foi pela fé que Abraão, ao ser chamado por Deus, obedeceu e saiu para uma terra que Deus lhe prometu dar. Ele deixou o seu próprio país, sem saber para onde ia" (Hb 11:8).
Estamos caminhando para uma nova pátria, a cidade celestial. A Bíblia nos previne que, durante esta jornada, enfrentaremos obstáculos.
No capitulo doze do livro de Hebreus, o autor afirma que precisamos nos desembaraçar de todo o peso e do pecado que nos assedia, para que tenhamos condições de chegar e entrar na posse das promessas de Deus.
A vida de Abraão tem muita similaridade com nossa vida. Era um homem pronto para ouvir e obedecer, mas que tinha fraquezas e inconstâncias. No entanto, ele chegou lá, e passou a ser tratado como amigo de Deus , "pai da fé", modelo daqueles que crêem.
Todos nós estamos a caminho. Há períodos, em nossas vidas, de muito sucesso e alguns outros de vários fracassos. Estas coisas que nos sobrevêm são sinais que estamos no caminho, que estamos próximos à cidade Celestial.
Estamos todos à caminho. Há alguns mais maduros na fé, mais estáveis, mas, para todos nós há uma exortação: "Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia" (1 Co 10:12). Nesta caminhada temos um inimigo sutil que não baixa suas armas e está sempre pronto para lançar setas inflamadas, para tentar derrubar aqueles que estão caminhando para o Lar da Glória.
Esta caminhada envolve um compromisso pessoal. Não podemos entrar nesse caminho por sentimentos e nem por vontade dos outros. É um caminho de fé pessoal, individual. Não desista, persevere e siga em frente.
O final é certo - chegaremos lá- mas o caminho é o caminho da fé!
Pensamento: Todos estamos no caminho para à Nova Jerusalém celestial.
Oração: Deus, ajudá-nos a chegarmos ao lar da glória, por amor de Cristo, amém.
Leitura: Atos 28:16-31 - 1 Samuel 6-7 - Salmos 53
Este devocional faz parte integrante do livro Bálsamo e Mel. Direitos reservados do autor.